A cadeia produtiva da devastação

Inédita e exclusiva, a pesquisa do Observatório Social, coordenada pelo jornalista Marques Casara, da Papel Social, revela dados preocupantes sobre a indústria siderúrgica instalada na Amazônia.

A pesquisa começou em Nova Ipixuna (PA). Lá, no dia 24 de maio, foram assassinados José Cláudio Ribeiro e Maria do Espírito Santo, que denunciavam a devastação da floresta para produzir carvão e madeira.

Em algumas siderúrgicas do polo de Carajás, grandes exportadoras de ferro gusa usam carvão do desmatamento e do trabalho escravo nos processos produtivos. A prática contamina toda a cadeia produtiva do aço e chega a montadoras de veículos, fabricantes de eletrodomésticos, de aviões e de computadores.

A pesquisa detalha como operam grupos criminosos do qual fazem parte empresários, políticos e servidores do governo do Pará.

Em algumas siderúrgicas, o uso do carvão ilegal sustenta mais da metade de toda a produção.

A fraude acontece através da compra de carvão esquentado por mecanismos de fraude diretamente ligados à corrupção nos órgãos de fiscalização. Grandes siderúrgicas exportadoras estão envolvidas, como Cosipar, Sidepar, Margusa e Gusa Nordeste.

A pesquisa revela ainda diversos casos nos quais o carvão é entregue sem documento ou com o uso de documentos forjados e como governos municipais e o governo estadual é conivente com crimes ambientais e trabalhistas, muitas vezes usando aparatos de Estado para acobertar ações criminosas que tem o objetivo de devastar áreas de preservação ambiental e terras indígenas.

Outro ponto de destaque no estudo é o passo a passo de como operam grandes complexos carboníferos usados para lavar carvão ilegal para as siderúrgicas.

Outro ponto que será desvendado pela pesquisa será o uso de créditos de madeira concedidos a assentamentos rurais direcionados a agricultura familiar. Novamente, os créditos de madeira são vendidos para as carvoarias. Um dos esquemas está em operação em Tucuruí. A madeira nunca sai do assentamento, mas por uma triangulação envolvendo madeireiras, empresas agropecuária e carvoarias, os créditos também são usados para esquentar carvão para o setor siderúrgico.

Serviço

Lançamento: 22 de junho de 2011
Local: Rua São Bento, 413, Centro,
Horário: 9 horas.
____________________________________

Informações para a Imprensa: Elenita Fogaça Comunicação
Elenita Fogaça – 11 – 9114-6289 e 11 – 3284-6706.
www.elenitafogacacomunicacao.com.br
____________________________________
[vimeo http://vimeo.com/24797458 w=640&h=362]

_________________________________________________________________________________

Todos os direitos reservados. Para reprodução de trechos dos textos, artigos e fotos é preciso citar o autor e o nome da Papel Social. Para reprodução em sites, dar o crédito e o link da página original da qual foi retirada o texto. As imagens não podem ser publicadas fora do contexto em que foram utilizadas neste site, ou separadas do texto original.

Anúncios

Comentários encerrados.

  • ▪ Contatos

    11 3798-1230
    contato@papelsocial.com
    -
    Rua João Ramalho, 136
    Perdizes, São Paulo - SP
    05008-000

  • Política de privacidade:

    A Papel Social Comunicação respeita a sua privacidade. Todas as informações pessoais que você fornecer para nós, incluindo nome, apelido, endereço, telefone e e-mail, não serão cedidas, vendidas ou alugadas a quaisquer organizações ou pessoas.
  • © 2013 Papel Social Comunicação.

    Todos os direitos reservados. All rights reserved.
    Para reprodução de trechos dos textos, artigos e fotos é preciso citar o autor e o nome da Papel Social. Para reprodução em outros sites, basta dar o crédito e o link da página original da qual foi retirada o texto e a imagem, porém as imagens não podem ser publicadas fora do contexto em que foram utilizadas neste site, ou separadas do texto original.

%d blogueiros gostam disto: